Policial

Justiça determina que pai de Eduarda Shigematsu vá a júri popular

Juiz Criminal determinou que a avó Terezinha de Jesus Guinaia não seja julgada no caso por não haver indícios de envolvimento

Na ultima sexta-feira(07), a  justiça determinou que o  pai de Eduarda Shigematsu, Ricardo Seide,  vá a júri popular. A menina foi encontrada morta na cidade de Rolândia em Abril do ano passado.

O juiz criminal Alberto Ludovico também julgou improcedente a denúncia contra a avó Terezinha de Jesus Guinaia, por não encontrar provas de envolvimento no caso  e determinou que ela deixe de ser julgadas neste processo.

O julgamento ainda não tem data definida e Ricardo permanece preso aguardando o júri. O pai responderá pelos crimes de feminicídio, ocultação de cadáver e falsidade ideológica.

 

O Caso Eduarda Shigematsu

Em 24 abril de 2019 a menina de 11 anos, Eduarda Shigematsu desapareceu na cidade de Rolândia . Após quatro dias do desaparecimento, seu corpo foi encontrado enterrado no quintal de um imóvel do pai, Ricardo Seide.

A criança estava com as mãos e pés amarrados e com a cabeça envolta por saco plástico. As câmeras de segurança flagaram o pai no local onde o corpo foi encontrado.

Segundo o laudo do Instituto Médico Legal(IML), Eduarda morreu por esganadura. O pai da criança foi preso no mesmo dia que o corpo foi encontrado. Conforme sua explicação ele confessou que tenha ocultado o corpo, mas negou que tenha assinado a filha.

No dia 25 de julho de 2019 tanto Ricardo Seidi quanto a  avó da menina, Terezinha de Jesus Guinaia foram acusados pelo Ministério Publico do Paraná (MP-PR) pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e falsidade ideológica.

 

Postagem Original: Ric Mais