Política

Câmara não CASSA, mas Francisconi segue afastado

6 vereadores votaram a favor da cassação, 0 votaram contra e 4 se abstiveram

A 3ª Sessão Extraordinária de julgamento do prefeito Luiz Francisconi Neto, teve início às 17h desse sábado (02) e não cassou o prefeito afastado.

A favor da cassação;

Alex Santana (PSD)

Andrezinho da Farmácia (PSC)

João Ardigo (PSB)

Reginaldo Silva (SDD)

Rodrigão (SDD)

Edileine Griggio (PSC)

Se abstiveram:

Professora Maria do Carmo (PSDB)

Eugênio Serpeloni (PSD)

Irineu de Paula (PSDB)

Leandro Olímpio (PSC)

 

ASSISTA A SESSÃO

 

A Câmara Municipal de Rolândia abriu no dia 29 de outubro a CP (Comissão Processante) contra o prefeito afastado, Luiz Francisconi Neto (PSDB), com base em denúncias investigadas pelo GEPATRIA e GAECO, braços especializados do Ministério Público contra o crime do colarinho branco. A comissão foi formada pelo vereador Irineu de Paula (PSDB) na presidência; Reginaldo Silva (SD) como relator; e Edilene Griggio (PSC) como membro.

As denúncias recebidas através de delações premiadas, levaram o MP a deflagrar no dia 10 de setembro do ano passado a OPERAÇÃO PATROCÍNIO, que levou ao afastamento do prefeito e da alta cúpula do governo de Rolândia, e ao monitoramento eletrônico por meio de tornozeleiras.

O MP investiga secretários e empresários de Rolândia e Arapongas com suspeitas de pagamento de propina para favorecimento de contratos e fraude em licitação.

Toda essa investigação do MP serviu como base para o pedido de uma CP na Câmara de Vereadores que depois de quase 90 dias julgou o prefeito na tarde deste sábado (02) em sessão extraordinária.

 

Anderson Mariano, advogado de Francisconi, desde o início declarou que a defesa não teve acesso a todo o conteúdo dos autos, e que o prefeito estaria tranquilo em provar sua inocência perante a Câmara de Vereadores. Procurado ao final da sessão ainda não retornou a reportagem.

 

A SESSÃO

A CP, através de seu relator apresentou o relatório indicando que de fato Francisconi cometeu os crimes aos quais foi acusado, opinando então pela cassação de seu mandato. Porém não atingiu os votos regimentais para a cassação e Francisconi não foi cassado. Para ser aprovado o relatório deveria ter sete votos favoráveis.

Após a denúncia e o relatório ter sido apresentado e lido na íntegra os vereadores puderam se manifestar por 15 minutos cada.

Em seguida a defesa teve duas horas para apresentar suas argumentações finais. O advogado, Anderson Mariano, alegou a inocência de Francisconi e se queixou de cerceamento de defesa já que o prefeito não foi ouvido em depoimento na comissão.

Depois da defesa os 10 vereadores iniciaram a votação. João Gaúcho (PSC), como denunciante não votou e foi substituído pelo suplente, Leandro Olímpio. Os vereadores puderam votar a favor do relatório, contra ou se abster.

Mesmo sem ser cassado pela câmara, Francisconi segue afastado do cargo e o vice, Roberto Negrão, continua como prefeito em exercício. Na justiça e o processo ainda está nas mãos do MP deve seguir para julgamento no TJ-PR (Tribunal de Justiça).

 

AO VIVO: JULGAMENTO DE FRANCISCONI

 
CONTINUAÇÃO JULGAMENTO FRANCISCONI

Continue assistindo a transmissão! AO VIVO: JULGAMENTO DE FRANCISCONI ACONTECE NESSE MOMENTO A SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DE JULGAMENTO DO PREFEITO AFASTADO LUIZ FRANCISCONI NETO. ASSISTA AO VIVO EM FACEBOOK.COM/MANCHETEDOPOVO

Posted by Manchete do Povo on Saturday, February 2, 2019