Acusado de estelionato Câmara abre CP contra Boca Aberta Guilherme Marconi/Grupo Folha

Acusado de estelionato Câmara abre CP contra Boca Aberta Destaque

Por 16 votos a três, a Câmara Municipal de Londrina abriu uma Comissão Processante (CP) para investigar o vereador Boca Aberta (PR), acusado de estelionato, na tarde desta quinta-feira (6). A votação, a pedido do parlamentar, foi feita por ordem alfabética. Apenas Guilherme Belinati (PP), Jairo Tamura (PR) e o próprio Boca Aberta votaram contra a criação da comissão. 

Após a votação, uma confusão generalizada tomou conta das galerias da Câmara. Apoiadores de Boca Aberta foram tirar satisfações com a enfermeira Regina Amâncio, que protocolou a denúncia contra o vereador. Os apoiadores acusaram a mulher de ter jogado spray de pimenta contra uma criança em plenário. Ela negou e seguranças precisaram conter a multidão. Um policial à paisana teria chegado a sacar uma arma. 

Guilherme Marconi/Grupo Folha
Guilherme Marconi/Grupo Folha
 



Após a votação, Boca Aberta se manifestou a respeito da abertura da CP. Disse que se tratava de um "complô", de um "golpe". Veja no vídeo abaixo.



Boca Aberta é acusado de estelionato por pedir doação a seus eleitores, por meio de vídeo divulgado nas redes sociais, para pagar uma multa eleitoral. A sessão na Câmara começou pontualmente às 14 horas e, após interrupções, o parlamentar teve 20 minutos para se defender. Ele negou "qualquer prática criminosa", disse que "crime é roubar o dinheiro do povo" e acrescentou que "é um cidadão do bem". 

Nas gravações publicadas nas redes sociais, Boca Aberta dizia que foi multado por defender o povo de Londrina. Apoiadores do vereador fizeram um "panelaço" nas galerias da Câmara durante a sessão, que não havia terminado às 17h34 desta quinta-feira (6). 

Guilherme Marconi/Grupo Folha
Guilherme Marconi/Grupo Folha



A defesa de Boca Aberta tentou impedir que os vereadores Jamil Janene (PP), Júnior Santos Rosa (PSD), Rony Alves (PTB), Roberto Fu (PDT) e Vilson Bittencourt (PSB) participassem da sessão. O motivo seria a imparcialidade deles no julgamento, por terem processos contra o denunciado na justiça. O juiz da 2ª Vara de Fazenda Pública de Londrina, Emil Tomás Gonçalves, porém, concluiu que, por se tratar de julgamento político, não cabia a suspeição solicitada pela defesa de Boca Aberta. 

(com informações do repórter Guilherme Marconi, da Folha de Londrina.)

(atualizado às 17h34.)

Redação Bonde

Sobre o Autor

Sou formado em Marketing & Propaganda (2004) e também em Jornalismo (2015) pela Unopar. Trabalho com Comunicação Social há mais de 15 anos e sou  proprietário do Jornal Manchete do Povo.

Localização

Rua: Alfredo Moreira Filho
N°: 362
CEP: 86600-003
Rolândia - PR

Mapa

O Jornal

Manchete do Povo - Mais de 3 mil exemplares todos os sábados em mais de 140 pontos da cidade.

Contato

Telefone: (43) 3016 0201

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Fale conosco

News Letter

Receba nossas novidades por e-mail

logo-manchete-do-povo-rodape